Convento de Cristo

Convento de Cristo

Convento de Cristo
loader
Data de entrada
Data de saída
Noites
Habitação
Data de entrada
Mostrar barra de pesquisa
Ocultar barra de pesquisa
{{ visibleTabs[ activeTab ].name }}
  • {{ tag.name }}
Entrada

{{searcher.dti.date | date:'dd/MM/yyyy'}}

Saída

{{searcher.dto.date | date:'dd/MM/yyyy'}}

-
Quartos
+
Quarto {{$index+1}}
-
Adulto(s)
+
-
Criança(s)
+
Idade(s) criança(s)
-
anos
+
Pesquisar
Data de entrada
Informação Geral
Em 1983 a UNESCO declarou monumento Património da Humanidade uma jóia ímpar da história do Ocidente: o Castelo Templário e Convento dos Cavaleiros de Cristo de Tomar. Construído sobre um lugar de culto romano, este vasto conjunto monumental fala-nos de sete séculos da história de Portugal e de grandes momentos da história do Ocidente. Afonso Henriques, nosso primeiro rei, doou aos Cavaleiros do Templo de Jerusalém, uma vasta região entre o Mondego e o Tejo. Conta a lenda que, em 1160, os cavaleiros chegados à região escolheram um monte para estabelecer um castelo e o nome que lhe iriam dar: Tomar. Em 1314, a Ordem do Templo foi extinta devido às perseguições do rei de França, Filipe - o Belo. Graças à vontade de D. Dinis, as pessoas, os bens e os privilégios foram totalmente integrados, em 1319, numa nova ordem - a Milícia dos Cavaleiros de Cristo que iria, com o Infante D. Henrique, apoiar a nação portuguesa na empresa das descobertas marítimas dos séculos XV e XVI. O Castelo de Tomar é então Convento e sede da Ordem e o Infante Navegador seu Governador e Administrador perpétuo. É assim que que o Convento de Cristo encerra no seu conjunto arquitectural testemunhos da arte românica, com os templários; do Gótico e do Manuelino com as descobertas, prosseguindo com a arte do Renascimento durante a Reforma da Ordem; depois o Maneirismo e finalmente o Barroco em ornamentos arquitectónicos. O templo de planta redonda, edificado pelos Templários, tem matriz na igreja que o imperador Constantino construiu sobre o Santo Sepulcro, em Jerusalém. Em torno da igreja templária desenvolveu-se, ao longo do tempo, o enorme convento, onde importa salientar o conjunto de quatro grandes claustros, a enfermaria da Ordem e também o aqueduto com 6 quilómetros de extensão construído pelo rei espanhol Filipe III.
Tomar
Convento de Cristo,Igreja do Castelo Templário, 2300-000 Tomar
Convento de Cristo
Igreja do Castelo Templário, 2300-000 Tomar