{{ search_data.i | date:'d MMM' }} - {{ search_data.o | date:'d MMM' }} {{ search_data.h.adl }} Adulto(s) {{ search_data.h.chl }} Criança(s)
Modificar
loader
Entrada

{{searcher.dti.date | date:'dd/MM/yyyy'}}

Saída

{{searcher.dto.date | date:'dd/MM/yyyy'}}

-
Quartos
+
Quarto {{$index+1}}
-
Adulto(s)
+
-
Criança(s)
+
Idade(s) criança(s)
-
anos
+
Pesquisar
Casa de Rodas
Monção - Lugar de Rodas
Localização
loader
Estamos a procurar disponibilidade neste hotel
loader
Estamos a procurar mais disponibilidades para este hotel
{{ tticket.str }}
desde
{{ tticket.avail[0].minprice / 100 | floor }}€
{{ troom.str }}
{{ tmeal.str }}
{{ toption.pckStr }}
NR
Preço total
{{ toption.pvp / 100| floor}}€
Reservar
{{ tabmeal.str }}
{{ toption.mpCode }}
{{ toption.pckStr }}
NR
Preço total
{{ toption.pvp / 100| floor}}€
Reservar
Serviços
Solar tipicamente minhoto localizado a 1 km de Monção, a Casa de Rodas, foi mandada construir em 1566. A história da casa encerra memórias de outros tempos associada à história de Monção. Até 1836, os senhores da casa mantiveram a varonia dos Pitas, descendendo de João Pita Ortigueira, cavaleiro fidalgo da Casa Real de D. Afonso V.À entrada da Casa de Rodas, duas antigas magnólias convidam e inspiram o hóspede. A capela do solar, data de 1768, tendo sido agraciada do culto sido pelo arcebispo de Braga, D. Gaspar, um dos meninos de Palhavã, filho de D. João V. A casa oferece vários salões integrados numa quinta de lavoura onde se produz o vinho Alvarinho. Dispõe de um conjunto de actividades, desde provas e passeios nos jardins ou na frondosa mata de árvores seculares. Solar tipicamente minhoto localizado a 1 km de Monção, a Casa de Rodas, foi mandada construir em 1566. A história da casa encerra memórias de outros tempos associada à história de Monção. Até 1836, os senhores da casa mantiveram a varonia dos Pitas, descendendo de João Pita Ortigueira, cavaleiro fidalgo da Casa Real de D. Afonso V.À entrada da Casa de Rodas, duas antigas magnólias convidam e inspiram o hóspede. A capela do solar, data de 1768, tendo sido agraciada do culto sido pelo arcebispo de Braga, D. Gaspar, um dos meninos de Palhavã, filho de D. João V. A casa oferece vários salões integrados numa quinta de lavoura onde se produz o vinho Alvarinho. Dispõe de um conjunto de actividades, desde provas e passeios nos jardins ou na frondosa mata de árvores seculares.
Localização